Quando pensamos nas casas mexicanas, imaginamos ambientes coloridos, vibrantes, cheios de estampas e texturas.


É o que vemos quando vamos aos hotéis de Cancún, Playa Del Carmen, Tulum ou até da Cidade do México.

Às vezes é difícil pensar em como é morar em lugares tão coloridos, cheios de energia, onde os ambientes estão tão cheios de adornos e objetos que seria complicado pensar num mexicano desastrado acabando com todo o trabalho decorativo de sua mamá ou abuela.


Mas, a realidade está mais parecida com a casa das novelas mexicanas do que dos espaços de hospedagem. Se você for da minha época (ou mais velh@), vai lembrar das vilas de Maria do Bairro, Maria Mercedes, Marimar e as mansões da Usurpadora.


As cadeiras Acapulco, por exemplo, somente existem em lares de famílias que não têm muito dinheiro ou em hotéis (por serem vendidas como algo tradicional hype em outros lugares do mundo). Pessoas de classe média ou média-alta (nem falo dos muito ricos) não querem esse modelo "popular" em suas residências.

As Acapulco são vendidas em todos os lugares, em carrinhos de mão, empilhadas, em terrenos vazios, principalmente em zonas mais populosas.


Outro ponto a destacar é que a decoração é super séria e tradicional. Os ambientes são LOTADOS de informações e uma casa como a minha (que tem o estilo mais minimalista e industrial) chama a atenção por aqui (talvez não no bom sentido).


A minha professora de espanhol ficou espantada na primeira vez que me visitou, disse que "essa decoração nova é muito boa" mas fez cara de desconfiada. Durante a aula, foi me explicando quais móveis TÊM QUE TER e mesmo a minha sala que é grande, não comportaria a quantidade de itens listados...


Os lares mexicanos em geral são escuros. São muitos móveis, em sua maioria, de madeira extremamente escura, pisos e revestimentos marrom, preto ou cinza chumbo, portas escuras.


A paleta de cores é bem diferente do que agrada a nós brasileiros e pra conseguirmos uma casa mais "Brazilian style" foi muitoooooo complicado.


Pra não parecer que é exagero meu, seguem umas imagens tipo expectativa x realidade do que é a decoração mexicana.


EXPECTATIVA


REALIDADE




Obs.: Esse post é uma generalização. Claro que temos residências de todos os estilos por aqui, principalmente quando vamos às grandes cidades.


E aí? Seu estilo é o mais o da expectativa ou o da realidade?


Vanessa.

2 visualizações0 comentário

Semana passada tive uma notícia maravilhosa: minha prima (que nasceu num 26/06 como eu, mas 15 anos depois de mim), passou no Enem pra Medicina na federal.

Com toda aquela alegria e empolgação, foi impossível não me transportar pra 2005, o ano que passei na federal do RN pra Letras. A minha emoção em ver meu nome na televisão (era assim na idade das cavernas), correr pra minha escola e vibrar de felicidade. Ver toda a grade curricular do meu curso e sonhar com aulas de latim e literatura...

Ilustração com a frase: i am choosing to Believe the future can still be beautiful". Fazendo referência a um texto sobre escolhas de vida.
"Estou escolhendo acreditar que o futuro ainda pode ser lindo."

Escolher nunca é fácil, e depois de um ano e meio de curso, vi que amava ensinar, compartilhar conhecimento, dar aulas com exemplos vivos, correr dentro da sala pra explicar pros alunos as aplicações dos verbos... Poderia passar dias descrevendo o prazer que eu sentia em poder estar com meus alunos, compartilhando o que eu sabia, mas não é esse o tema do texto.

Escolhi estudar outra vez, outro vestibular, dessa vez pra Arquitetura, amor verdadeiro e eterno, daqueles sonhos bem sonhados. Veio a vida e não deixou que isso se concretizasse.

Segui como professora durante 6 anos.

Consegui entrar no curso de Arquitetura, mas uma vez a vida, ah a vida, com seus caminhos inimagináveis, somente me permitiu viver 1 ano e meio desse sonho.

Empreendi, empreendemos. Aprendi ainda mais a admirar as pessoas, a lidar com elas, com suas insastisfações, angústias, tristezas e alegrias.

E essa vida, me colocou no caminho do Design, uma área afim da Arquitetura, irmã, amiga, sangue do sangue, pena que pouco valorizada no Brasil.

E eu escolhi. Ou eu ouvi o chamado? Hoje não tenho nenhuma dúvida do amor que tenho pela profissão. Sou grata as Letras, a empresa que tivemos, a Arquitetura (que me deu tanto em tão pouco tempo) e ao Design.

Escolher nunca é fácil, mas quando a gente se entrega ao nosso processo de construção, uma hora flui, um momento o encaixe fica perfeito e a gente vê que o melhor da viagem, é o percurso.

Se você conseguiu chegar neste último parágrafo, obrigada. Eu sabia que viria.

A porta está aberta, vamos entrar?




Vanessa.


1 visualização0 comentário
  • Vanessa Milanez

Não existe algo que dê mais cara de lar a uma casa do que fazer uso de plantas. Buscando na minha memória afetiva, quando me lembro das casas dos meus avós, automaticamente penso em Samambaias, Jiboias, Espadas-de-são-Jorge, pés de Jambo e por aí vai...


É impossível fazer esse resgate sem lembrar de como era bom quando chovia e a casa ficava com cheirinho de planta molhada...

Quando pensamos hoje, morando em apartamentos cada vez menores e impessoais, em nos cercamos de vegetação, parece algo meio surreal, já que elas demandam luminosidade e cuidado. Mas, sim, é possível e faz super bem ter plantas por perto.

A sensação de conforto transmitida por elas é imediata e vale super a pena. No final, nos tornamos os "loucos das plantas".

Tocando neste assunto, caso tenha se interessado sobre ter plantas em casa, vale seguir o perfil, no Instagram, da jornalista e jardineira Carol Costa @minhasplantas, super inspirador.



Fonte das imagens: Pinterest.

4 visualizações0 comentário
1
2